A. O.A. (25) – Pais, seus filhos estão numa guerra e precisam saber disso! (Gabriel Alves)

Sobre o articulista:
Gabriel Alves – um jovem estudioso das Escrituras e apaixonado por teologia; líder de jovens da Primeira Igreja Batista de Cascavel, onde também faz parte do corpo de pregação e ensino, preparando-se para o ministério pastoral.
Pais, seus filhos estão numa guerra e precisam saber disso!
gabriel alves

Gabriel Alves

Há algumas cenas de The Walking Dead que vez por outra ainda passam em minha mente. Uma delas se dá na 6ª temporada, no episódio 8 (Start of finish). No momento em que parte do grupo está sendo pressionada por zumbis dentro de uma casa, eles decidem se disfarçar de zumbis para escapar. Jessie, tenta convencer seu amedrontado filho Sam dizendo:

–  “Tente fingir que é corajoso, é como em um faz de conta, nada disso é real, e você não está com medo.”

Essa foi apenas uma das vezes. Ele sempre lidou com seu filho assim, tentando inculcar nele que tudo aquilo não era real. E no episódio seguinte (No way out) podemos ver as consequências  práticas do método empregado por Jessie. No momento em que eles tentavam sair da cidade tomada pelos zumbis, Sam é dominado pelo medo, fica paralisado e acaba sendo devorado por zumbis. Jessie e Ron, seu filho mais velho, tem o mesmo fim trágico.

Ao assistir e relembrar essa cena por muitas vezes, consegui perceber um paralelo com o que tem acontecido no meio cristão. Infelizmente muitos pais cristãos não tem ensinado seus filhos onde verdadeiramente eles estão, em que eles estão envolvidos. O Evangelho não nos leva a um parque de diversões, mas a um campo de batalha. Paulo fala sobre essa batalha em Efésios:

“Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.” – Efésios 6:12

Vida cristã é guerra! Guerra contra você mesmo, guerra contra o maligno, guerra contra o mundo a sua volta. Pais que não ensinam isso desde cedo aos seus filhos terão grandes problemas. E é triste reconhecer, mas muitos tem feito isso. Não ensinam seus filhos a calcular o preço, não os lembram das dificuldades da caminhada, e os expõe apenas a um cristianismo frio e superficial. Alguns acreditam que seu único papel é ensinar seus filhos o caminho até a igreja, e o que resto eles façam só. Nunca falam de sacrificio, de renúncia, de tomar a cruz. Seus filhos crescem com a mentalidade de que devem ir à igreja duas vezes por semana, ter algumas atitudes  religiosas e que tudo ficará bem. Mas isso não é o suficiente.

Ter filhos hoje realmente continua a ser um grande desafio. Desde cedo as crianças tem sido expostas a um contexto de depravação absurdo. As músicas, os desenhos, os canais no youtube, doutrinação escolar, amizades, tudo isso requer dos pais um grande esforço para preservar seus filhos. O que tem acontecido , infelizmente, é que alguns não tem levado a sério todos esses perigos. Colocam seus filhos no mundo e não os alertam para os grandes perigos a que estarão expostos. Qual o resultado? Eles acabam sendo devorados como Sam em The Walking Dead. Quem resumiu muito bem isso foi J. C. Ryle, no clássico Santidade:

“Por não quererem calcular o preço, filhos de pais evangélicos por muitas vezes desviam-se do reto caminho, trazendo opróbrio ao nome de cristão. Familiarizados desde a tenra infância com a forma e a teoria do evangelho; ensinados desde  a meninice recitarem importantes textos bíblicos; acostumados a receber instrução semanal a respeito do evangelho ou mesmo a instruir outras pessoas nas Escolas Dominicais, eles com frequência crescem porfessando uma religião, sem jamais haverem refletido seriamente a respeito dela. E então, quando as realidades da vida adulta começam a pressioná-los, geralmente deixam todos espantados ao abandonarem totalmente a religião cristã e lançarem-se no mundo. Mas, por que isso acontece? É que eles nunca entenderam os sacrifícios exigidos pelo cristianismo bíblico. Nunca foram ensinados a calcular o preço.”

Dizer apenas “vá pra igreja” ou “leia esse livro” ou “ore 3 vezes por dia” não fará com que seu filho entenda a realidade do Evangelho. Essa questão é muita séria, queridos. A cada a luta se intensifica mais a mais, os inimigos atacam sem nenhuma piedade, eles estão ensandecidos e irão tragar os que estiverem despreparados. Os pais tem que entender seu papel de preparar seus filhos para essa guerra. Um exemplo bíblico excelente são os pais de Moisés. Talvez não seja to comum olharmos assim, mas a Escritura nos dá claros sinais da importância que eles tiveram para que Moisés se tornasse o homem que ele foi. Vamos olhar pela perspectiva do Autor de Hebreus no capítulo 11:

23 Pela fé, Moisés, apenas nascido, foi ocultado por seus pais, durante três meses, porque viram que a criança era formosa; também não ficaram amedrontados pelo decreto do rei. 24 Pela fé, Moisés, quando já homem feito, recusou ser chamado filho da filha de Faraó, 25 preferindo ser maltratado junto com o povo de Deus a usufruir prazeres transitórios do pecado; 26 porquanto considerou o opróbrio de Cristo por maiores riquezas do que os tesouros do Egito, porque contemplava o galardão. 27 Pela fé, ele abandonou o Egito, não ficando amedrontado com a cólera do rei; antes, permaneceu firme como quem vê aquele que é invisível.

É claro que a ênfase do texto está na fé de Moisés, mas perceba que a primeira atitude de fé não parte dele, e sim de seus pais. Eles viram que havia algo naquele bebê que o tornava especial, e mesmo diante das ameaças de Faraó não abriram mão de seu filho. Para não nos delongarmos, lembremos do relato de Êxodo e pulemos para a parte em que a filha de Faraó acha Moisés no rio e o entrega para que a própria mãe cuide dele, enquanto o garoto cresce. Moisés foi educado por seus pais nos seus primeiros anos, e somente depois foi morar com a filha de Faraó. E como esse texto nos diz, Moisés abriu de muitos prazeres, de renome, de glória e escolheu sofrer com o povo de Deus. Moisés escolheu permanecer do lado de Javé. E não foi palácio de Faraó que ele aprendeu isso, foi com seus pais. Enquanto criavam Moisés eles inculcaram no garoto as promessas da aliança, e a fé de Moisés nessas promessas o levou a rejeitar todos os prazeres e riquezas do Egito. Que família! Que história! Eles mostraram para Moisés o que ele deveria rejeitar, eles ensinaram a quem ele deveria ser fiel. Não foi por acaso que Moisés entrou numa guerra, numa batalha ferrenha com Faraó, e saiu vencedor, pois permeneceu fiel a Javé.

Precisamos de pais como os de Moisés, que não temam os perigos que virão, e alertem seus filhos acerca da realidade que enfrentarão. Pais, os zumbis estão chegando, eles querem devorar seus filhos. Você vai apenas ensinar deveres religiosos? Vai apenas colocar um dvd gospel para ele assistir? Não, isso não basta! Você deve ensiná-lo a guerrear! Ensine-o a calcular o preço! Faça ele lembrar que Cristo exige renúnica! Fale que ele deve tomar a sua cruz! Não dá pra fugir, eles estão por toda parte. Ou luta ou morre. O glorioso privilégio de colocar filhos nesse mundo traz consigo a imensa responsabilidade de prepará-los para a guerra que enfrentarão. Que o Senhor dos exércitos batalhe em nosso favor!
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s